Perversão à parisiense: quando o mal está na rua

Muriel Emídio Pessoa do Amaral, José Miguel Arias Neto

Resumen


A proposta desse artigo é de discorrer como a perversão se aloja em práticas da comunicação enquanto um circuito de cultura em representações e reverberações que se encontram naturalizadas no cotidiano de pessoas anônimas. Para inferir essa hipótese, a pesquisa tem como objetos empíricos a fotografia do menino sírio morto, Aylan Kurdi, em 2015 após naufrágio no Mediterrâneo e a charge produzida pelo jornal parisiense Charlie Hebdo. Assim, foram abordadas pessoas comuns em Paris para confirmar a intenção de que a perversão encontra-se como uma experiência estética no circuito da cultura de representações.


Palabras clave


Perversão; comunicação; circuito

Texto completo: PDF (Português (Brasil))

Refbacks

  • No hay Refbacks actualmente.


Creative Commons License
Este trabajo está licenciado bajo la licencia Creative Commons Attribution 3.0 .